Segunda, 27 de maio de 2024
Política

03/05/2024 às 12h27

222

Redacao

Vila Velha / ES

“Lave sua boca suja!” Deputados declaram guerra a prefeito do ES
Após prefeito do interior chamar partido do governador de “corja” e quase brigar fisicamente com Vandinho Leite em evento do governo na última sexta (26), deputados fizeram fila para contra-atacá-lo na sessão desta segunda (29). “Prefeito pé de porco” foi o mínimo que se ouviu
“Lave sua boca suja!” Deputados declaram guerra a prefeito do ES
Ação e reação: Ninho e Tyago Hoffmann com o dedo em riste um para o outro, através das câmeras

“Lave a sua boca suja, prefeito!” Com frases de efeito moral como essa, deputados estaduais em fila usaram os microfones da Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (29) para torpedear o prefeito da pequena Dores do Rio Preto, Cleudenir José de Carvalho Neto, o Ninho (PP). Na última sexta-feira (26), o prefeito da cidade de 6.596 habitantes na região do Caparaó quase chegou às vias de fato com o deputado Vandinho Leite (PSDB) após um grave desentendimento entre os dois, durante um evento oficial do Governo do Estado, a poucos metros do governador. Dois dias antes, em uma live, Ninho atacou Vandinho, Tyago Hoffmann e Janete de Sá, os dois últimos do PSB, afirmando que os três nunca fizeram nada por Dores do Rio Preto.



O diminutivo no nome de Vandinho e o tamanho do município do prefeito são inversamente proporcionais à reação dos parlamentares e à repercussão adquirida pelo caso na Assembleia. Parlamentares como Tyago Hoffmann, Janete e Denninho Silva chamaram Ninho de “prefeitinho mequetrefe” e “pé de porco”, entre outros predicativos nem um pouco abonadores.


“Prefeito mequetrefe! Prefeito pé de porco! Lave a boca pra falar o nome desta deputada, que tem seis mandatos honrados nesta Casa, com o voto popular!”, bradou Janete, com o dedo em riste. “O senhor tem os dias contados aí em Dores do Rio Preto, porque esse município há de lhe dar uma banana, inclusive no seu candidato, que não entrará na prefeitura”, vaticinou.



Tyago Hoffmann também se dirigiu diretamente a Ninho, erguendo o dedo indicador e olhando fixamente para a câmera da TV Assembleia: “O senhor lave a sua boca suja, o senhor não tem o direito, na sua boca não cabe o nome deste deputado aqui nem o da deputada Janete nem o do deputado Vandinho. Lave a sua boa e respeite estes deputados porque nenhum deles tem medo do senhor não!”


O deputado Mazinho dos Anjos (PSDB) requereu à presidência da Assembleia que faça uma nota de repúdio ao prefeito Ninho “pela agressão ao deputado Vandinho e pelo xingamento a ele e aos deputados Tyago e Janete”: “A informação que tive é que ele chamou os três de vagabundos”. Advogado e presidente da Comissão de Justiça, Mazinho ameaçou levantar todos os processos que pesam contra o prefeito na Justiça: “Vamos levantar a capivara dele agora e quero ver o que pesa contra esse rapaz”.


Tyago Hoffmann também deixou uma ameaça no ar: “Esse prefeitinho é conhecido na região como um cara que faz política ameaçando não só verbalmente como ameaçando a integridade física das pessoas. Esse tempo passou, e esta Casa não vai aceitar ameaça a deputados. […] Quero dizer ao prefeito de Dores do Rio Preto que ninguém aqui vai se calar. Vamos enfrentar o que tivermos que enfrentar. Eu já tenho denúncias contra ele! Denúncias inclusive de que ele está indo beber em bar com o carro da prefeitura!”


Contexto: a live e o quase UFC político


Tudo começou numa entrevista dada por Ninho a um “podcast amigo” chamado “Ninhocast”, na última quarta-feira (24). Na live, disponível no YouTube, o prefeito de Dores do Rio Preto elogia muito o governador Renato Casagrande, mas ofende o PSB (chama de “corja” o partido do governador) e, nominalmente, ataca o presidente estadual da sigla, Alberto Gavini, e três deputados estaduais: Vandinho Leite, Tyago Hoffmann e Janete. Ninho desafiou os três a mostrarem os recursos que levaram para a cidade, como deputados:


“O PSB, que é um partido que eu juro que nem sei o que é o PSB, o Gavini, aquela corja do PSB, que nunca vai ter eu filiado, porque eles não são honestos, não têm gratidão. Gavini, esses deputado aí [sic]: Tyago Hoffmann, essa Janete de Sá, esse Vandinho, que nunca trouxe um real para Dores do Rio Preto. […] Vandinho, fala o que você trouxe para Dores do Rio Preto, querido! Ô, Tyago Hoffmann, vai aí amanhã, você tem o meu telefone, todos vocês têm, manda o que você mandou para Dores do Rio Preto. Ô, Janete, você roda há tanto tempo na região, já quatro ou cinco mandatos de deputada, fala pra população de Dores o que você mandou pra eles. Fala! Se você falar, eu vou te chamar de mentirosos [sic], porque vocês nunca trouxeram nada pra Dores do Rio Preto! Vocês estão querendo só vir aqui pegar votos, e não devolver nada pra Dores do Rio Preto, vocês só levam pra cidade de vocês!”


O segundo assalto (round two: fight!), o da briga propriamente dita, ocorreu dois dias depois. Na manhã de sexta-feira (26), o governo Casagrande inaugurou a nova Companhia da Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) na cidade de Guaçuí, também localizada na região do Caparaó. Além do governador e de autoridades da cidade, participaram do evento o deputado Vandinho, o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Santos (Podemos), e prefeitos de municípios vizinhos, entre eles Ninho.


Enquanto o governador fazia uma entrega a poucos metros de distância, Ninho estava sentado na primeira fileira de cadeiras, sob uma outra tenda, aguardando o início de outro momento da solenidade, quando Vandinho se aproximou e o abordou. Segundo o relato de uma testemunha, pessoas ao redor teriam ouvido o deputado provocar o prefeito com a seguinte frase: “Quem bate tem que saber apanhar”. A informação é confirmada à coluna por Ninho, mas negada por Vandinho. O deputado confirma ter dito a frase, mas afirma ter sido provocado antes pelo prefeito, que o teria chamado de “porcaria”.


Após trocarem insultos, Ninho partiu para cima de Vandinho, que estava pronto para revidar. A confusão se instalou, e os dois só não chegaram a se agredir fisicamente graças à intervenção da “turma do deixa disso”. Em um dos vídeos que circulam pelas redes sociais (veja abaixo), é possível ver Ninho sendo afastado da cena pelo prefeito de Alegre, Nirrô (PP), enquanto segue a troca de ofensas pessoais (“seu vagabundo” para lá e para cá).



O pano de fundo eleitoral da contenda


A briga tem, como sempre, um pano de fundo eleitoral. Completando o segundo mandato sucessivo, Ninho não pode pleitear a reeleição. Para a sua sucessão, apoia o vereador Thiago Lopes Pessotti (PP), do seu grupo político.


Por sua vez, o PSB, partido de Tyago Hoffmann e Janete, apoia o vereador Jeferson Lagares Oliveira, o Jefinho, dono de pousada no município e candidato de oposição ao grupo do prefeito. Vandinho é o presidente estadual do PSDB, que fará uma dobradinha com o PSB em Dores do Rio Preto. O PSDB também apoia Jefinho e deve indicar o vice na chapa do candidato de oposição a Ninho. “O prefeito está perdendo a linha por isso”, disse à coluna uma fonte que acompanha de perto esta história.


Curiosamente, apesar de ter chamado o PSB de “corja”, Ninho encheu Casagrande de elogios em seu podcast. Disse que sua amizade com ele remonta aos tempos em que Casagrande era vice-governador de Vitor Buaiz (1995-1998) e que ele é o melhor governador que Dores do Rio Preto já teve.


As reações na Assembleia


Janete de Sá também chamou Ninho de “prefeito mequetrefe” e fez um trocadilho com o apelido dele (que vem da infância):


“É inadmissível o que aconteceu numa live desse prefeito, que não é Leite Ninho, deve ser leite azedo, da pior qualidade. Ele falar de três deputados… Eu particularmente nunca fiz nada com esse prefeito. […] Lá nesse município, não só eu mas muitos deputados têm dificuldade de entrar porque não querem fazer aliança com um prefeito que é muito mal-educado, que é um prefeito que desrespeita mulheres, ameaça mulheres e servidores públicos, que é um prefeito barraqueiro, que não tem um bom trato com as pessoas, altamente desqualificado. Ele devia lavar a boca pra falar o meu nome, porque eu não dou ousadia pra esse prefeito falar o meu nome.”


A deputada aproveitou o ensejo para declarar o seu apoio ao candidato de oposição ao grupo de Ninho:


“Mas eu vou lá em Dores do Rio Preto. Vou lá porque agora a Câmara Municipal tem um vereador que é candidato a prefeito altamente qualificado, um rapaz decente, que está fazendo um trabalho belíssimo, que se chama Jefinho. Nós vamos pra lá pra poder levar dignidade para aquela gente que tanto precisa. […] Nós apoiamos, sim, o pré-candidato a prefeito Jefinho.”


Como presidente da Comissão de Finanças, Tyago Hoffmann lembrou que foi o plenário da Assembleia que aprovou o orçamento estadual para este ano, incluindo todos os investimentos previstos pelo Governo do Estado para Dores do Rio Preto:


“Portanto, senhor prefeito, qualquer lajota que o governador coloca no seu município, porque o senhor não tem capacidade de fazer isso, 100% dos investimentos em Dores do Rio Preto são com recursos do Governo Estadual, e cada lajota, cada centímetro de asfalto colocado em seu município tem a mão de todos os deputados aqui presentes.”


Segundo Tyago, “é estarrecedor como algumas pessoas ainda querem fazer política no Espírito Santo sem civilidade”.


VERSÕES EM CONFLITO


A coluna ouviu tanto o lado de Ninho como o de Vandinho sobre o “B.O.” de sexta passada. Cada um deu a sua versão dos fatos:


A versão de Ninho


Eu estava sentado na primeira fila, já aguardando o início do evento. O governador já tinha chegado ao espaço e estava fazendo a entrega de um ônibus ou algo assim. O deputado em questão chegou e botou a mão em meu ombro. Quando me virei, ele estava com a mão estendida. Eu estendi a minha, e ele me disse neste tom: “Quem bate tem que saber apanhar. E eu vou bater muito em você”. Eu respondi a ele: “Deputado, você pode me bater à vontade porque eu sei apanhar. Mas o que eu falei na live eu falo na sua presença”. Falo mesmo e vou repetir na próxima live: ele, Tyago Hoffmann e Janete não trouxeram nada mesmo para Dores do Rio Preto. Só ficam fazendo vídeos com o candidato da oposição. Aí ele me chamou de vagabundo. Aí eu não permito, porque não sou vagabundo, muito pelo contrário. Eu trabalho muito, me dedico muito ao mandato, tenho aprovação de quase toda a população. Então não sou vagabundo, não me considero vagabundo, por isso parti pra dentro dele e ele partiu pra dentro de mim. Eu não tinha problema nenhum em chegar às vias de fato com ele. Mas fico até feliz de eu estar sendo tema da tribuna da Assembleia, porque eles não devem ter temas mais importantes para trabalhar. Pelo visto estamos muito bem de segurança pública e saúde… Ora, temos coisas muito mais importantes no Espírito Santo do que uma discussão entre um prefeito e um deputado.


A versão de Vandinho


Eu fui cumprimentando as pessoas. De forma educada, eu o cumprimentei. Quando eu fui cumprimentá-lo, ele virou pra mim, em tom alto, e falou o seguinte: “Você viu o vídeo que eu fiz falando de você e daquelas porcarias que são Janete e Tyago Hoffmann?” Foi como ele se referiu a mim. Eu, falando baixinho, disse pra ele: “Na política, quem bate também apanha. Mas é direito seu”. Foi o que eu respondi. E aí, em seguida, ele começou a gritar. Eu disse a ele que não era pra ele me agredir nem me encostar. E ele ficou gritando. Mas ele é reincidente, tá? Isso é normal para quem é do Caparaó. Tem episódios dele com adversários locais, com servidores públicos, uma assistente social. Esse vereador Jefinho tem prints de conversas dele com o prefeito em que o prefeito o chama de “moleque”, de “m****”. Ele trata assim todos os que divergem dele. Resumindo, é isso: ele tinha feito a agressão na internet e também partiu para a agressão pessoalmente.




 


FONTE: ES 360

Veja também
Política

Política

Blog/coluna Tudo sobre a política capixaba, brasileira e global e seu impactos na dinâmica econômica e social do Espírito Santo.
Facebook
© Copyright : Todos os direitos reservados ( 14260 ) Pessoas que vizitaram esse site este mês